Deolinda!

O que fui — ai, meu Deus!, o que só hoje sei que fui…

O que eu fui foi ter amado a Ana Bacalhau!

O que eu sou hoje é não haver mais vozes a que namorar!

É estar eu sobrevivente a mim-mesmo como um fósforo frio…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s